Make your own free website on Tripod.com
Image of CONVpb.GIF

João Frederico Ludovice

               Arquitecto do Magestoso e Megalómano Convento de Mafra, ex-Palácio Real de Mafra, nasceu a 31 de Março de 1670, em Hohenhart, comemorando-se este ano (1998) o seu 328. aniversário.
               Ludovici era filho de Peter e Elizabeth Ludovice ou "Ludwige" como vem em vários documentos. Com seu pai iniciou-se na arte de ourivesaria. No século XVII, mais precisamente em 1698 parte para Itália, onde italianizou o nome para "Loduvisi", trabalhando na fundição de cinzelagem na Capela de Jesus, onde os Jesuítas notaram o seu talento, o que lhe valeu o convite para trabalhar em Portugal. Roma proporcionou-lhe ainda o contacto directo com os monumentos barrocos e a frequência do atelier de Fontana, factos que explicam a sua futura carreira de Arquitecto no nosso País e muito particularmente em Mafra.

               Chegou a Portugal em 15 de Setembro de 1701, contratado pelos Jesuítas para trabalhar no Sacrário de Santo Antão em Lisboa.
               Pouco depois ganhou a confiança de D. João V, ávido de novidades romanas que dessem o tom áulico às obras por si patrocinadas, daí o natural aproveitamento para as obras do futuro "Palácio Real de Mafra"; decididas na década de dez. Quando morre J. Antunes é integrado na embaixada de Roma. Terá contado ainda com a influência dos Jesuítas e da própria rainha, sua compatriota.
               Em Mafra, Ludovici dá corpo a ideia e práticas aprendidas em Roma, veiculando influências e colaborando na definição do gosto oficial Joanino.

Image of PLANTA.gif
  .
               Autor parcial ou total dos planos do Megalómano Convento de Mafra, a acção de Ludovici é inegavelmente meritória. Ele é responsável pela edificação da nova capela-mor da Sé de Évora, semelhante à zona frontal da Basílica de Mafra, onde também foi colocado o crucifixo gigante.
               Posteriormente, nos subúrbios lisboetas, constroi para si a Quinta da Alfarrobeira, enquanto na zona do Bairro Alto edifica o seu próprio Palácio citadino em 1746, de nítido Estilo Germânico. É ainda responsável por obras no desaparecido Paço da Ribeira, na Patriarcal e na

Igreja de S. Domingos próximo do Teatro Nacional D. Maria II.
               Na década de quarenta é feito conselheiro do Rei, dialogando vivamente com Roma, a propósito dos planos para a capela de S. João Baptista. Era o coroamento natural de uma notável carreira de Arquitecto, reconhecida mais tarde por D. José, que o nomearia Arquitecto-Mor do Reino.

               De todas as suas obras, a mais imponente, como, aliás, é do conhecimento geral, é o Magestoso e Megalómano Convento - Palácio - Basílica de Mafra, mais conhecido por simplesmente "Convento de Mafra", obra que aliás cinquenta e cinco anos depois de ter sido restaurado, se encontra actualmente em grande reparação.
"In Bibl. Robert Smith, João Frederico Ludovici, an Eighteenth Century Architect in Portugal". Art. Bulletin, n. 1926.

Image of voltar.gif

Voltar


http://www.gosplash.com/